Transexuais: a vida depois da redesignação sexual

A vida de uma pessoa trans é repleta de tabus, onde há diversas lutas diárias para aceitação da sociedade. Existem lugares para ajudar as pessoas nessa jornada se aceitarem e também entenderem se querem fazer cirurgias ou não. Confira!

Transexuais: a vida depois da redesignação sexual

A vida de uma pessoa trans é repleta de tabus, onde há diversas lutas diárias para aceitação da sociedade. Muitas tem medo de se assumir, isso por conta da discriminação e preconceito que o mundo exerce ainda, infelizmente. Mas calma, existem lugares para ajudar as pessoas nessa jornada se aceitarem e também entenderem se querem fazer cirurgias ou não.

Pensando nisso, a Mayumi Sato entrevistou para o Sexlog TV o psiquiatra Fernando Calderan, que conversou sobre o Núcleo Trans Unifesp, onde ele trabalha e auxilia transexuais. Tem curiosidade sobre como funcionam esses centros? Confira abaixo!

Como funciona o Núcleo Trans

Fernando atende como voluntário no Núcleo Trans Unifesp e contou que o núcleo é um ambulatório assistencial. Os serviços que tem lá são de imagem, fonoaudiologia, assistente social, psicólogos, psiquiatras, endocrinologistas, ginecologistas e cirurgião plástico. Ou seja, é perfeito para todos os momentos.

Ele também contou que as pessoas que procuram o local são trans que estão querendo entender melhor o processo, se descobriram recentemente e estão começando a se entender como transgênero. Elas buscam o local para dar início à transição, onde vão desde processos estéticos e cirúrgicos até tratamentos hormonais.

Quais as cirurgias mais procuradas

As cirurgias mais procuradas, conforme o que Fernando Calderan comentou na entrevista, são a retirada das mamas e de órgãos internos, como o útero e ovário. “Essa retirada de órgãos internos é importante para os homens pararem de menstruar e se sentirem mais confortáveis com o corpo”, comenta ele no vídeo do Sexlog TV.   

No Núcleo Trans da Unifesp, eles atendem pessoas a partir dos 18 anos, mas existem sim outros lugares espalhados no Brasil para atender menores de idade. É só ir até o SUS mais próximo e falar que está procurando por centros como esse, assim eles encaminharão para o local mais perto e adequado.

No vídeo do Sexlog TV, Fernando também mostro um depoimento de uma pessoa trans. Confira:

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *