Quando seu Love te passa DST

Photo by Paweł Czerwiński on Unsplash

Este é um assunto delicado, mas importante de ser falado de forma clara e sem tabus. Conversei com algumas mulheres sobre este assunto e fiquei chocada como a maioria delas acredita que DST durante a relação faz parte.

Há muitas variáveis sobre este tema. A primeira delas corresponde ao casal heterossexual, que por acharem que estão numa relação séria, podem transar sem camisinha de vez em quando ou sempre. A mulher se sente compelida a ceder a este tipo de assédio e é onde mora o perigo.

Como evitar? Aliás, como se prevenir?

Por mais que seu amor seja lindo e confiável, a cada seis meses, faça e peça exames completos de DST’s. Inclua sorologia para Herpes I e II, pois parecem doenças inofensivas, mas que podem comprometer o sistema reprodutor da mulher e ser letal para fetos. Se o seu parceiro se esquiva de fazer exames e de ser transparente, fique atenta.

A segunda variável são os casais gays. A nossa cultura pintou de pervertido o relacionamento gay e não é bem assim. Na verdade, acaba sendo uma das relações mais bem protegidas. O sexo oral ainda é um tabu, pois muitos homens não usam camisinha para fazê-lo.

Uma preocupação é o sexo anal sem camisinha, principalmente por ser um canal onde resíduos orgânicos são expelidos. Mais do que nunca o uso da camisinha se faz necessário. E mais! Se o cara faz anal e depois vai pro oral, é importante trocar de camisinha. A dica para esta segmentação é a mesma: exija exames de seis em seis meses. Acrescentaria apenas uma atenção maior à higiene anal.

Veja também:  5 dicas infalíveis para uma boa masturbação feminina

Já nossa terceira variável, os casais lésbicos, é mais delicada. Isso porque nossa sociedade machista ainda não pensou em uma camisinha eficiente e barata para duas ou mais lésbicas sem felizes com total segurança. Há opções de calcinha com fundo de látex para colar o velcro e fazer o oral gostoso, mas meter que é bom num dá.

Dedeiras são ótimas para usar os dedinhos. A atenção aqui são as unhas, tanto unhas maiores, que guardam sujeira debaixo e podem levar bactérias para dentro do útero e causar uma infecção severa. Será que sua parceira lava bem as mãos? Nunca se sabe… Meninas que usam prótese peniana, coloque camisinha na piroca de borracha também e troque a proteção quando for a vez da outra. Nunca use a mesma.

Há também as lésbicas que tiram as cutículas e por sua vez, a defesa de suas unhas. Daí a pele dos dedos fica exposta a sei lá o quê que tiver dentro da vagina da moça que você está comendo. Será que sua parceira cuida bem da própria xoxota?

A regra é que nem a do trânsito: dirija por você e pelos outros. Essa coisa de que sexo protegido é tabu é mentira e pior, é arriscado. Lésbicas precisam de uma atenção maior. A paixão às vezes nos cega, mas seja inteligente e tenha amor próprio suficiente para pedir exames antes de ir para cama pela primeira vez.

Há muitas outras variáveis que incluem trans, pans, casais a procura de aventura (atenção redobrada com esses), poli amor etc., mas vou me deter apenas a estes exemplos acima para o texto não ficar imenso.

Veja também:  Você sabia que os hábitos alimentares influenciam a saúde íntima da mulher?

Mas o que fazer quando seu love, dentro de uma relação supostamente segura, te passa DST? Bem, há algumas possibilidades. Pode ser que seu parceiro já tinha e não sabia e como você não pediu exames no início… nhé. Mas se você tinha exames recentes antes da relação que mostra não ter nenhuma doença anterior e não transou com mais ninguém a não ser ele, então há grandes chances de ter pego neste relacionamento.

Como agir?

Peça exames para confirmar. Confirmado, converse e tente entender se houve uma traição enquanto estavam juntos ou se ele já tinha e simplesmente não te contou por algum motivo. Independente do que aconteça nesta conversa, abra um Boletim de Ocorrência, pois passar uma doença sexualmente transmissível é uma violência, independente do grau de severidade da mesma.

Se a doença for muito grave, como HIV, por exemplo, ou for incurável como a Herpes Genital, procure um advogado e se informe. Nunca abra mão dos seus direitos, não seja relapsa com você. Por mais que você ame o seu parceiro, é importante deixar registros dessas coisas caso precise. Não que você vá terminar a relação, daí é contigo, mas sexo é uma troca, é uma entrega e estar contaminado, mesmo sem saber, não justifica o descaso consigo mesmo e com o outro. Sexo é responsabilidade!

Entendido?

Então, bora gozar.

Juliana R. S. Duarte

banner_728banner_728banner_728banner_728

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *