Porque algumas mulheres não gostam de sexo?

porquenaogostamdesexo

Sexo bom é algo raro, isso é uma certeza para quem tem uma vagina e transa com homens regularmente.
Aliás, uma pesquisa da USP do ano passado comprovou: metade das brasileiras não têm orgasmos durante as relações sexuais. Entre as várias causas apontadas, 67% responderam que tem dificuldade para se excitar e 59,7% sentem dor na relação.
E, nossa, a gente sabe, essas duas coisas não deveriam ser frequentes. Isso me faz crer que temos muitas mulheres que não gostam de sexo e que, quando o fazem, fazem para agradar ao parceiro. Isso no caso de serem hetero e/ou Bi.
Porque eu excluo as lésbicas desse retrato? Primeiro porque acredito que lésbicas dependem muito pouco da penetração pra fazer sexo, segundo que temos muito mais relatos positivos de sexo lésbico do que sexo hétero.
Mas, por que isso acontece?

Eu, cá comigo, tenho algumas teorias e acho que existem muito mais motivos para mulheres não gamarem em sexo, do que o contrário.

Ponto 1: vivemos uma sociedade machista e patriarcal. Então, transar com homens é um desafio há séculos.
Levando em consideração que muitos homens (a maioria), não está nem minimamente interessado em dar prazer, a gente já tira uma média ruim pacas, né?
Eu já tive parceiros, por exemplo, que nunca tinham chupado uma buça na vida, isso aos 65 anos. Já tive parceiros que até tentaram, mas não sabiam o que fazer e preferiam fingir do que aprender.
Porque essas coisas acontecem tanto? Nossa sociedade ainda é muito falocêntrica e isso se demonstra em vários aspectos, e um deles é as pessoas acharem que sexo é apenas penetração.
E homens amam penetração, porque dentre tantas outras, ela é a maneira mais fácil de conseguir orgasmo masculino.
Já para nós, mulheres, a penetração nem sempre traz orgasmos, muito pelo contrário. Se não estivermos excitadas, entramos naquela primeira estatística que citei: machuca, dói. E, exceto por pessoas masoquistas, sentir dor não é motivo para gostar de algo.

Ponto 2:  Vem ao encontro do outro dado que levantei no começo: não ficamos excitadas o suficiente.
Existem mil razões para isso. Mas, uma das possibilidades está ligada a forma como somos estimuladas.
Para garantir excitação, por exemplo, algumas pessoas buscam no pornô uma fonte. E, nós também sabemos, a maioria das produções pornôs não são feitas para nós mulheres, e sim para a média masculina mundial.
Muitas pessoas inclusive culpam o pornô pela educação sexual restrita e capenga que nossos homens têm. Mas, acreditem em mim: homens já faziam sexo ruim e não estavam interessados no prazer feminino bem antes de produções pornográficas existirem. As produções são o reflexo da nossa sociedade machista, sim, mas elas sozinhas não são rainhas da educação sexual.
Falando nisso, existem outras mil maneiras de excitar uma pessoa, né? Mas, se falta interesse do parceiro, isso complica muito mais.

Ponto 3: Vamos falar de outra coisa que tira tesão de qualquer pessoa, principalmente mulheres? A insegurança.
Insegurança consigo mesma, com seu corpo, com seu relacionamento, suas genitais. Ao contrário dos homens, somos levadas a vida toda a acreditar que nossos corpos são feios e nojentos e, portanto, não são dignos do sexo oposto.
Isso está em cada comentário negativo que ouvimos durante a vida, em cada comparação que fazemos, está enraigado na nossa cultura.
Então, se você é uma mulher que não gosta tanto assim de sexo, já deu pra entender que você não está só e que o problema não é seu, né?
e você, gosta de sexo? Se não, isso é um problema pra você?

Se for, como podemos mudar isso?
A primeira coisa, sem dúvida, é um passo atrás: antes de nos relacionarmos com o outro, precisamos nos relacionar bem conosco. Precisamos mudar o ponto de vista sobre nosso próprio corpo e sobre como lidamos com nosso prazer. Infelizmente ainda vemos muito caso de mulheres que sentem vergonha de si mesmas, vergonha de descobrir o próprio corpo.
Gente, é muito importante para você descobrir como você consegue se excitar e se dar prazer. Se tiver dúvidas de como começar, busque tutoriais na internet, converse com aquela amiga irmã, busque grupos de apoio em lojas de brinquedos sexuais, por exemplo (dica minha íntima, experimente focar o chuveirinho no clitóris, é um amor).
Segunda coisa: se você tem um parceiro, tá na hora de jogar fora a vergonha e conversar sorbre isso. Sei que é muito difícil, mas pense no bem que você está fazendo pra si e pra ele. Puxar a conversa a partir de algo que você sente de positivo é um jeito de ter uma resposta mais afirmativa do outro lado. Exemplo: se ele faz um oral meia boca ou nunca faz, mas tem aquela pegada que você ama, comece elogiando a pegada e dizendo que se ele fizer assim ou assado você fica mais maluca ainda (comigo costuma funcionar mais do que quando eu apareço com críticas).
Terceira coisa: dê tempo ao tempo. Vá fazendo mudanças aos poucos e como você sentir conforto. Conforto é uma palavra super importanate na hora do prazer vir. Você precisa estar confortável com seu corpo, com o corpo do outro, consigo mesma e com o ambiente também.

Espero que, se você não goste tanto assim de sexo, essa nossa conversa tenha te ajudado.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *