Por que eu indico o Sexlog para as amigas*

PorqueindicooSexlog

Resolvi escrever esse texto porque, a primeira vista, é difícil achar que uma rede social de sexo pode ter utilidade na vida de alguém que não está interessada em sexo (pelo menos não numa rede social). Mas a verdade é que, trabalhar e ter contato diário com o Sexlog, me ajuda a lembrar de algo básico e que não estamos acostumadas a ouvir: a gente já tem o que é preciso para ter prazer!

*Mesmo para aquelas que não estão interessadas numa rede social de sexo

Desde cedo eu me considero bastante liberal e esclarecida no que diz respeito a sexo. Gosto de conversar sobre o assunto, saber de diferentes práticas que, mesmo não fazendo parte da minha rotina, me despertam curiosidade. Gosto de conhecer e explorar novas maneiras de se relacionar, etc. Resumindo, nunca achei que sexo fosse um tabu.
Ainda assim, é incrível como tem aspectos da nossa personalidade que vão sendo moldadas ao longo dos anos sem que a gente se dê conta. Não faz muito tempo, percebi a quantidade enorme de cobranças que eu me fazia – e ainda faço pois certos hábitos não são fáceis de abandonar – quando eu queria, por exemplo, transar. Falo transar, mas podem ser outras formas de ter prazer com outras pessoas. Flertar (ao vivo ou através de uma câmera), por exemplo, também se encaixa nessa categoria.

É aquela história, a gente aprende que para sair, transar ou flertar com alguém, precisa estar impecavelmente depilada, com a lingerie “certa”, maquiada e com o look perfeito. É como se o mundo dissesse que, ao natural, nós simplesmente não somos merecedoras de certas experiências. Ele, o mundo, só vai nos aceitar e permitir que a gente viva certas coisas se nos encaixarmos numa expectativa irreal – digna de revista feminina – do que é ser uma mulher sedutora (mas nem tanto) e independente (mas com limites). Ou seja, quanta bobagem!

Veja também:  H-elenao de Tróia

Pois sim, parece uma bobagem verbalizando assim, mas no dia a dia é difícil fugir de todas essas cobranças, que muitas vezes a gente compra e repassa como se fosse algo “que eu faço porque me sinto bem, não por obrigação”. O que pode até ser, mas será que a gente realmente tem o poder de decidir o que nos faz sentir bem? Infelizmente cada vez mais tenho achado que não.

Daí que com toda essa ladainha na cabeça, você pode imaginar o choque que eu tive quando, ao acessar o Sexlog, vi o que eram mulheres reais, mulheres gente como a gente, tendo e dando prazer sem que um monte desses supostos pré-requisitos fossem atendidos.
É preciso lembrar que são mais de 6 milhões de pessoas nessa comunidade, ou seja, é gente de todo estilo. Gente gorda, magra, que é magra e se acha gorda, que é gostosa e se acha magra, gente baixa, alta, feia, bonita, cabeluda, careca, nova, velha, gente que eu adoraria conhecer, gente que prefiro passar longe, etc etc etc, mas é isso, muita gente. Gente pra dar com pau. Gente que atende aos padrões, gente que não tá nem aí pra isso, gente que parece modelo de passarela e gente que me lembra a mim mesma quando acordo de ressaca. E, adivinhem, todas se divertindo do mesmo jeito! Publicando fotos, vídeos, contos eróticos e recebendo elogios, cantadas, convites pra sair e sendo feliz.

Veja também:  Carta aberta à ex do atual

Esses dias tive o prazer de assistir uma livecam protagonizada por uma senhora de 65 anos. Ela se masturbava e conversava com uma platéia de homens, casais e mulheres, igualmente encantados como eu. Alguns faziam pedidos, outros só elogiavam, enquanto aquela senhora dizia o que a excitava e afastava a calcinha com os dedos e se tocava cada vez mais animada.
Aquela cena não me excitou, mas me deixou extremamente feliz por me lembrar, mais uma vez, que definitivamente não é preciso ser tão exigente para se soltar como aquela senhora. Essa história de que apenas mulheres jovens, lindas e arrumadas tem espaço é uma mentira que foi repetida tantas vezes que parece verdade. Mas não é.

Por isso, indico para as minhas amigas uma boa dose de realidade através do Sexlog. Porque representatividade é importante e os meios tradicionais de entretenimento adulto ainda tem muito que evoluir nesse sentido. Enquanto isso não acontece, eu ligo a livecam e assisto senhoras, senhores e gente de todo tipo se divertindo por aí =)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *