Meu primeiro vibrador: dicas para encontrar o brinquedo erótico perfeito

brinquedo erótico/vibrador

Dado alarmante: Um terço das mulheres brasileiras nunca atingiu o orgasmo*

Muitos falam que um brinquedo erótico pode substituir um homem. Mas com certeza isso está mais ligado ao estigma de ter um companheiro vibrante do que propriamente ao de ter prazer.
Convenhamos, nem todo mundo tem tempo ou companhia para aquele momento de apenas gozar rapidinho.
Vamos partir do ponto de que você tenha um pau-amigo: ele realmente te faz gozar todas as vezes? E todas essas vezes, você precisa de um certo cenário erótico para fazer algo acontecer? Olha, podemos simplificar ao entregar nosso mais íntimo ponto de prazer para algo rápido e diário. E você sabia que é muito saudável gozar todo dia? Endorfina, gente! O corpo libera essa substância responsável pela sensação de prazer e satisfação.

Vamos a parte prática da vida real. O que você precisa é de um vibrador potente e básico. Existem muitos modelos do mais famoso brinquedo erótico disponíveis e dos mais variados tamanhos. Na minha opinião, o que conta mesmo é a sua potência.

Como é uma preferência particular, então o ideal é conhecer seus pontos de prazer. Sim, cada mulher tem basicamente três: vagina (ponto G e clitóris) e ânus. Sim, o cú. Tem muita mulher que não fala ou não sabe, mas penetração anal dá prazer, sim.

Ok, agora como escolher? Primeiro você precisa responder mentalmente as seguintes perguntas:

#1. vou ter onde guardar o vibrador?

Crianças não devem ter acesso a esse tipo de objeto. Imagina a menininha perguntar o que seria a calcinha que fica vibrando quando aperta um botão no meio do almoço em família?
E quem mora com pais que fuçam tudo também. É bom ter uma caixinha com chave ou algo que fique bem guardado e com acesso mais difícil.

 #2. o que devo esperar de um brinquedo erótico?

Claro que o preço vai influenciar nessa decisão, mas é importante você saber coisas como: se a energia é a pilha ou carrega via USB; a prova d’ água; material cyberskin ou se é silicone. Todos eles tem vantagens mas pense sobre o quanto da durabilidade é importante para você.

Veja também:  70% das mulheres homossexuais não têm pressa de casar, aponta pesquisa

#3. qual é o melhor para meu corpo?

Essa é uma questão bem pessoal. É interessante que a atendente do sex shop oferece alguma opção que tenha como controlar a intensidade. Não sabemos como sua pele vai se comportar com um vibro muito forte.

#4. qual seria o melhor preço para meu bolso?

Veja bem, quando falamos de preço depende muito, pois assim como existe marca de sapatos acessíveis existe aqueles de luxo. E com brinquedo erótico é o mesmo raciocínio. Desde marcas gringas já consagradas pelo design quanto as mais acessíveis pelo modo de funcionamento ou material.

Rumo ao orgasmo

Borboleta 

Queridinho de 8 em cada 10 mulheres solteiras. Eu sempre recomendo para aquelas mais tímidas e que tem um bloqueio com qualquer coisa fálica – comem banana picada para não ter que meter a boca. Essa coisinha fofa é colocada como uma calcinha e estimula o clitóris. Pegue uma taça de vinho e relaxa.
Ah, alguns modelos tem micro pênis, o que significa que você também pode estimular o ponto G. Outros tem plug anal.

Prótese realística com vibrador e sem vibrador

A maioria das pessoas que nunca entraram em um sex shop, imaginam que as únicas peças a venda são próteses. Mas esses garotões são apenas parte desse arsenal. Com opções que vão de médios a gigantes. De cyber skin a máquinas do sexo.
A limpeza de um brinquedo erótico deve ser muito cuidadosa no caso do material ser o cyber skin pois ele tem uma textura muito macia, parecida com pele de verdade (sim, existe). Sempre com água e sabão e usar um pouquinho de pó específico para ele não perder a textura macia.

Veja as opções de próteses com vibrador clicando aqui, e as sem vibrador clicando aqui.

Ponto a considerar: se você mora com a vovó ou com familiares que fuçam, guarde em um cofre, tranque e esconda.

Prótese com vibrador

Prótese com sem vibrador

 

 

 

 

 

 

 

Vibrador Ponto G

Específico para quem gostaria de saber onde fica o tal ponto G. Você identifica esse brinquedo quando a ponta é viradinha. 
Outra curiosidade: sabe a ejaculação feminina ou squirting? Você consegue esse orgasmo massageando o ponto G.
É uma certeza de ter o melhor prazer da sua vida.

Veja também:  Disfunção sexual feminina: conheça 4 tipos e como tratá-las

Ponto a considerar: se você quer apenas um produto para estímulo do ponto G, ok. Mas a maioria deles não é tão profundo nem largo.

Clique aqui para ver as opções de Vibradores de Ponto G.

Bullet

Bom, você não quer nada de introduzir porque tem alguma aflição? Não tem problema, os bullets ou cápsulas vibratórias são ótimos para estimulação clitoriana. Só ligar, achar o ponto e contar até nove, porque é rápido chegar ao orgasmo – sério.

Ponto a considerar: algumas opções em plástico fazem bastante ruído, mas tem preços mais amigos. Já os de silicone, são mais resistentes e silenciosos. Se você quiser fazer estimulação anal, deve escolher um produto específico para a região.

Jack Rabbit Rotativo

Logo de cara, ele assusta pelo tamanho, mas não se preocupe: a penetração é bem curta – a medida é da ponta até a parte onde há um bichinho que geralmente é a orelha de um coelho, e é por isso o nome Jack Rabbit.
É próprio para quem quer se divertir muito, pois há estimulação de todos os lados – clitóris e ponto G (penetração). Ou seja, ótimo para as mulheres indecisas e que não querem ter um arsenal de itens. Basta um eficaz e bonitinho.

Ponto a considerar: tamanho. Caso more com pais, irmãos mais novos ou a vovó que fuça em tudo, é bom prestar atenção se o som do brinquedo não é alto. Outra coisa é um lugar em que os curiosos não encontrem.

Clique aqui para ver as opções de Jack Rabbits.

Essas são apenas algumas opções para te estimular a conhecer melhor seu corpo, a buscar seu prazer e gozar sempre que quiser!
E ai, se interessou por algum deles em específico? Ou se já os conhece, qual é seu favorito?

* De acordo com pesquisas realizados pela psiquiatra Carmita Abdo, coordenadora do Projeto Sexualidade do Hospital das Clínicas da USP

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *