Manifesto da Poesia Meta-física

poesiametafísica

Deus está sim, morto

Os ídolos mais vivos

Triunfantes

Preguiçosos

Ídolos multifacetados, vendidos, empacotados, expelidos

Vende-se palestra para atingir a iluminação!

As tradições  milenares se definham frente à arrogância googolizada das massas débeis, disformes, massentas, perdidas

Riem

Pobres almas do diabo mundano, carnoso

Inocentes parasitas de uma terra seca

Sem presente, nem futuro, nem importância

A cada 1,1,2 da sequênca Fibonacci há uma razão áurea e um número de ouro que nenhum relojoeiro transforma ou garimpeiro dos Carajás garimpa.

Há mais linguística em uma equação e equação em um poema de decassílabo decantalo.

Os modelos educacionais emburreciantes convencem

Convencem

M4n1pulan

Ad3stram

Diminuem

Separa o bem e o mal

Mas o humano tão humasiado humano acredita no limite de cosseno de x sobre seno de x e se limita.

Vamos quebrar a divisão

O muro de berlim

A Faixa de Gaza

A muralha da China

0 divido por 0

Descreve-se em retalhos imbalbuciáveis

De uso
O século XXI é século magro

Definhante de grandes anseios e rompantes solos

Com cidadãos morosos e cautelosos

Com caras abafinhadas de susto e sono

Redemoinho de coisas, vozes, escolhas

Impalpitável repelente de autonomia debruçada

Um niilismo quase cômico inconsciente

Freud se riria ao ver sua que sua professia se cumpriria por incompleto como será o estudo das EDO

Zero Zero Zero

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *