Você se respeita na hora do sexo?

No Dia do Sexo, senta aqui comigo e vamos pensar na sua primeira transa. Me desculpa a pergunta clichê, mas foi bom pra você? De verdade, faça uma análise sobre a sua primeira experiência com o sexo.

Você se respeita na hora do sexo

No Dia do Sexo, senta aqui comigo e vamos pensar na sua primeira transa. Me desculpa a pergunta clichê, mas foi bom pra você? De verdade, faça uma análise sobre a sua primeira experiência com o sexo.

Vou te contar um pouco sobre a minha.

Minha primeira transa foi meio que uma barganha com um menino que eu era apaixonada, na época com 15 anos. Eu era uma devoradora de revistas voltadas para meninas adolescentes e também havia lido diversos folhetos sobre sexo, então estava convicta de que era o momento de acontecer do jeito mais real possível. Nada de fantasiar com filmes de romances. A transa foi boa para uma adolescente inexperiente e, naquele meu primeiro contato com o sexo, tive a oportunidade de fazer não apenas o sexo vaginal, mas fui apresentada ao sexo oral e ao anal. Gostei de algumas coisas e outras não. Ok! Fazia parte da experiência e da proposta de conhecer um pouco de tudo, mas independente de ter gostado ou não de algo, eu me sentia segura e, principalmente, respeitada.

Agora pense, a sua primeira transa foi mesmo boa? Você se sentiu confortável? Você se sentiu segura? Que tal pensar nas transas que você teve depois da sua primeira vez? Mas antes disso, quero novamente te falar um pouco sobre mim!

Depois da minha primeira transa, eu achava que entendia e conhecia tudo sobre sexo, graças à minha primeira experiência e às matérias das revistas… Doce ilusão! Fui pra cama com homens que adoravam impor suas vontades sobre mim e que me faziam acreditar que eu também desejava aquilo. Levei alguns anos para entender que, por muitas vezes, o sexo era algo mecânico para mim, pois eu não conhecia o meu corpo de verdade e nem o que me dava prazer ou não. Estava ali ajudando o cara a gozar, mas e eu? O meu gozo não era importante? Eu não precisava do orgasmo? Por que eu precisava fazer sexo anal se não era algo que me dava tesão? Pouco a pouco fui me questionando sobre diversas coisas ligadas ao sexo. Pouco a pouco fui abandonando tudo aquilo que um dia eu chamei de sexo, de prazer.

Lembro perfeitamente da primeira vez que recusei sexo anal para um cara. Ele tentou e eu falei “não” através de sinais corporais, então ele tentou novamente e eu precisei falar com todas as letras “eu não quero” e então veio a famigerada frase “ah, para de charminho, eu vou com cuidado”. NÃO! Eu não fiz e nem faço charminho, assim como eu não faço algo na cama só porque a pessoa que está comigo quer. Na época eu fui firme ao recusar, mas em casa me peguei pensando se eu realmente não queria ou se era medo. Veja só como algumas atitudes podem nos bagunçar por dentro! De lá pra cá, sempre que entro no assunto sexo com alguém, já deixo bem claro a minha total falta de interesse nessa parte da transa. Já deixo claro que nosso momento não vai ser menos interessante por causa disso, pelo contrário, mostro que há uma infinidade de possibilidades para chegarmos ao orgamos.

Me permita mais uma pergunta, pensa com cuidado e com carinho e depois fala pra mim, você se respeita na hora do sexo?

Veja também:  A (nada fácil) vida sexual da mulher gorda

Me tocar, me conhecer e ter diferentes parceiros, fez com que eu entendesse o que eu gosto e o que eu não gosto. Minha consciência de que preciso ser respeitada na cama me fez entender que não devo fazer aquelas coisas que entendi não gostar. Mas foi o meu respeito por mim mesma que foi me fazendo gradativamente enxergar os meus limites, deixar de lado os meus pudores e dizer não apenas para mim, mas para quem está comigo que eu devo sim ser ouvida, lembrada e respeitada na hora do sexo. Óbvio que nem tudo são flores, sempre existem caras (e até mesmo mulheres, pode apostar!) que não aceitam. A diferença é que agora, eu prefiro ficar longos períodos sem sexo a me deitar com alguém que não entenda o quão sagrado o meu corpo, o meu tesão e o meu orgamo são para mim. Se eu vou transar com alguém, essa pessoa precisa me entender e respeitar todas as minhas escolhas.

Eu me respeito na hora do sexo e você?

comentários

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *