Corações partidos e úteros elásticos

corações partidos

Se você levou um pé na bunda ou terminou um relacionamento recentemente, talvez ainda não tenha se dado conta, mas todo coração partido cria mecanismos de defesa para não entrar na fossa de vez. No início, parece uma boa forma de não ser membro vitalício da broken heart club band. Mas com o tempo, é apenas uma personalidade que forjamos para sobreviver neste mundo de desilusões amorosas.

Após sair de um combo de relacionamentos ruins e decepções amorosas extremamente doloridas, acabei criando mecanismos para o pós sexo sem ilusões. O lema era: sexo casual e nada mais. Afinal, o coração estava partido, mas os hormônios estavam em ebulição!

Eu acho que meus hormônios estão furiosos

Com o útero em fúria, eu vivia uma caçada quase diária por novos parceiros sexuais. Tudo com as devidas precauções, claro! Camisinha sempre, para prevenir doenças e gravidez indesejada, além de diversos artifícios para evitar romances e amores – tão indesejados quanto uma gestação. Terminado o sexo, eu saia desembestada da cama para fumar um cigarro na beira da janela ou ia tomar banho o mais rápido o possível. Eu achava que assim não sobraria nenhum resquício que pudesse me carregar para uma nova paixão. Encerrava a noite com um tchau seco e a certeza de que meu coração não seria estraçalhado novamente.

Eu quero trepar!

No fim, nada disso tinha muito efeito. Sem contar que deixava de aproveitar certos momentos na esperança de que sair correndo era a melhor maneira de não sentir nada. O que eu aprendi com o tempo: deixe que as coisas fluam de acordo com seus próprios ritmos. Minar algo que nem teve a chance de existir não é a melhor maneira de se proteger, porque embrutecer o coração também não é o jeito mais fácil de lidar com a vida. No BDSM temos algo chamado after care – que é basicamente cuidar da outra pessoa com quem você teve uma sessão. Passei a permitir a mesma coisa no sexo casual.

Foi um caminho tortuoso até eu perceber que poderia permanecer deitada na cama recuperando fôlego e curtindo o momento – mesmo sem ter nenhuma pretensão de relacionamento futuro. Também passei a ter consciência de que é preciso ter o mínimo de responsabilidade com quem a gente se relaciona, que mesmo que no futuro não haja nem um tipo de envolvimento. Sexo casual tem respeito e também tem carinho. Faz parte do processo e da parte boa de estar com alguém, ainda que só por uma noite. Como já diria Cazuza: “Prender o choro e águar o bom do amor” não é a melhor solução para ir em frente.

 

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *