Como não sentir ciúmes do parceiro no swing?

ciumes no swing
Olá meus amores…
Eu respondo mas preciso que antes você me responda.
É ciúmes mesmo, ou é só falta de segurança?
Você já pensou que o ciúmes que você sente está também relacionado a pouca confiança que seu cônjuge te passa ou o nível de autoestima que você tem?
José Saramago disse uma frase que representa tudo o que eu vou dizer nesse post de hoje: “Gostar é provavelmente a melhor maneira de ter, mas ter deve ser a pior maneira de gostar.” Ter sentimento de posse causa dor por tudo o que não se pode controlar. E algumas coisas não são controláveis, uma delas, o pensamento daqueles que estamos dividindo nossos momentos. Você pode até impedir que as pessoas que você tanto ama realizem seus desejos, mas não pode impedir que elas desejem, e independente de chegarem ao ponto de realizar, já estarão vivendo em si, pois a primeira força da ação acontece dentro de nós. A verdadeira fantasia acontece em nossa mente.
 
Algumas pessoas passam a vida frustradas por não realizarem seus maiores desejos.
Vem depressão, vem solidão mesmo dentro de um casamento e vem principalmente aquela confusão que nos diz claramente que não somos “normais”, caso contrário estaríamos satisfeitos como estamos. Faz idéia o que passa alguém que deseja muito se realizar e não consegue? Você alimenta por anos um fantasma que te persegue diariamente.
Quando eu tinha uns 19 anos eu tive meu primeiro contato bi. Foi uma fase muito confusa… Eu estava “pilhada”na religião, e me senti o pior ser humano do universo conspirando contra as tão defendidas “leis da natureza”. A verdade é que toda vez que eu assistia um filme em que envolvia duas mulheres eu não molhava só a calcinha. Eu molhava o jeans, o lençol, a coberta… O carinho delas era surreal! Tinha medo de deixar transparecer para algum de meus namorados. Isso sem contar as vezes que me imaginei recebendo um oral de uma mulher enquanto eles literalmente se esforçavam para me dar prazer. Devido à toda essa carga de preconceito que eu tinha sobre o assunto, essa primeira experiência foi péssima. Depois foi só culpa, nojo de mim, e confusão. Nada que se aproveitasse. Passei inclusive a me desviar de filmes que mostravam interação entre mulheres pois o medo de me reconhecer lésbica ou bi no universo que eu vivia, me assombrava dia a dia.
 
O casamento com meu ex marido só piorou minha situação. Ele me satisfazia pouco, (assunto para outro dia) o que me fez relembrar meus pensamentos companheiros da adolescência. Quando finalmente meu relacionamento com ele terminou e eu passei a tão temida reconstrução, comecei uma nova vida com o Ed cheia de desejos e possibilidades. Essa tão sonhada liberdade que eu tanto almejava em sentir, começou aos poucos acontecendo em nossas fantasias diárias e logo tomou espaço físico. Quando começamos no meio liberal a primeira coisa que eu pensei, era que finalmente eu conseguiria me realizar transando com uma mulher da forma como eu sempre idealizei. Eu fiz uma, duas, três, quatro, tantas… e sabe o que eu descobri? Que eu não sou lésbica! Eu passei a vida acreditando que eu poderia ser algo que eu não era. Eu poderia ter me descoberto bem antes e minhas transas com homens seriam muito melhores do que eram. Mas eu não gosto? Gosto, claro, caso contrário não faria. Aliás pouco tempo atrás fui em um motel com uma amiga onde passamos a noite só nós duas enquanto nossos maridos viajavam. Foi sensacional provocar eles essa noite e bi feminino me agrada muito, mas sou muito feliz casada com um homem.
Mas onde eu quero chegar dando toda essa volta? Na resposta para sua pergunta lá em cima.
Você pode estar sentindo ciúmes por exemplo de uma coisa que não é real!
O Ed teve poucas experiências sexuais antes de nós, assim como eu. Não provamos muitos gostos e formas diferentes, e acredito que como eu, ele também carregava seus fantasmas. Eu sempre acreditei que pelas poucas experiências que ele tinha, dentro dele um vulcão estava prestes a explodir e que qualquer saia levantada transformaria ele um louco descontrolado. Rude engano… Eu precisei ver ele uma, duas, três, quatro, tantas vezes com outras mulheres para entender que ele com elas, não é ele comigo. Em uma de nossas aventuras em que o Edgar estava com uma amiga nossa, eu olhava para eles e via um homem lindo, único e carinhoso. Um homem que eu sempre vi nele e alguém que eu esperava que ele fosse quando nos colocamos nos braços da nossa amiga. Digno!
 
Por mais que ele curta ou elas se esforcem, elas jamais causarão nele os amontoados de sentimentos que eu causo. Tudo isso porque confiamos um ao outro nossos segredos, detalhes e receios mais íntimos. Não temos vergonha ou receio de nada, pois somos uma prova que a matemática exata que conhecemos pode também estar errada. Somos 1/2+1/2 que é = a 2!
 
Quando vocês vivem um ménage a trois estão ambos se entregando a uma terceira pessoa, que por mais que se esforce, jamais irá fazer aquilo que juntos e sozinhos vocês fazem.
É bom e é ótimo! Mas não é igual a vocês e jamais será!
O seu ciúmes nada mais é que o medo de que durante essa transa ou depois, a pessoa que você tanto ama deseje mais o outro do que você.
Mas teria essa possibilidade? E a história de vida de vocês? E toda essa jornada e os obstáculos que superaram juntos? Ou você acha que só o corpo, ou o jeito de transar leva ao orgasmo? Experimente transar com quem você não respeita por 5 minutos para ver o tamanho do tormento que será transformar os poucos minutos em uma eternidade. Só seu parceiro te dá esse tipo de prazer e comprometimento!
 
Vou responder agora sua pergunta. Você sente ciúmes não porque ama demais, mas sim porque sente confiança de menos. Ou no parceiro ou em si próprio. 
Parceiros que confiam um no outro não levam seus parceiros para transar com terceiros. Vão juntos ter essa experiência mesmo que ela não seja bi, afinal vocês estarão juntos dividindo o mesmo espaço e a mesma história naquele momento. Não é ver uma outra pessoa com quem você ama. É estar junto proporcionando uma nova forma de prazer, que aliás tem muito a ver com essa liberdade e esse autoconhecimento.
 
Quer confiar mais? Fale sobre as coisas que te causam insegurança. Quer que confiem mais em você? Pare de fazer coisas que levem a desconfiança. Simples assim…
 
A própria insegurança é também uma das maiores causas desse ciúmes e é o ladrão da felicidade! Quando você se compara nada é pior do que você. Suas estrias, sua calcinha grande e bege do dia a dia que não é nada compatível com aquelas micro calcinhas que as esposas liberais usam por aí não é? Seu peso, sua altura, a cor da sua vagina, o tamanho do seu pênis… Que mais você reclama em você?
Você não faz seu cônjuge gozar, porque ele tem pena de você, sabia? A misericórdia das pessoas não atinge o âmbito sexual, entenda de vez isso! Eles não são doentes e você é perfeitamente desejável para os padrões ideais de beleza deles. Agora se não for assim, acho que realmente você deve estar com uma pessoa que não é compatível com você… Então não permita que acabem com sua autoestima.
 
Seja pelos quilos a mais, a curva grande ou poucas delas. Seja por estar fora ou dentro de padrões que não deveriam existir… Confiança é a chave para aquilo que você busca. Sem ela, sem passagem.  Confiança primeiro em si, e também em quem divide a vida com você. Meio liberal e insegurança não combinam!

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *