7 frases homofóbicas que as pessoas ainda dizem - e como ajudar a acabar com elas

Hoje é o Dia Nacional de Combate a Homofobia e a Transfobia. É um dia de enorme relevância para a sociedade do mundo atual. É um dia para combater e conscientizar as pessoas sobre o assunto de homofobia e seus afins.

7 frases homofóbicas que as pessoas ainda dizem - Dia Nacional de Combate a Homofobia e a Transfobia

Hoje é o Dia Nacional de Combate a Homofobia e a Transfobia. É um dia de enorme relevância para a sociedade do mundo atual. É um dia para combater e conscientizar as pessoas sobre o assunto de homofobia e seus afins.

Afinal, em que mundo vivemos hoje? Precisamos de mais igualdade de gênero e mais aceitação. Precisamos de um mundo sem preconceitos. E mesmo com diversas campanhas de incentivos na sociedade para inclusão do público LGBTQ+, ainda existem atitudes enraizadas que promovem o preconceito e a LGBTfobia.

A Mayumi Sato, diretora de marketing do Sexlog, comentou sobre o assunto e sobre empatia: “É importante se informar sobre as demandas de grupos historicamente oprimidos com respeito, entender que há pontos de vista e vivências muito diferentes. Algumas dessas demandas podem não fazer sentido para quem lê, mas nem por isso devem ser menosprezadas ou descartadas. Empatia é respeitar a dor do outro, independente do que se sente”.

E apesar de todo o esforço de mudança, as pessoas ainda continuam com as frases clichês que não fazem mais sentido na sociedade atual. Listamos algumas mais comuns, que com certeza você já ouviu de alguém, e a Mayumi comentou o mal que elas carregam.

1 – “Eu não tenho preconceito, até tenho um amigo gay”

“Eu nunca vi essa frase vir acompanhada de algo positivo”, conta Mayumi. Ela só é usada para justificar mais preconceitos, opressões e calar minorias. “Pouco importa quantos amigos gays, negros, mulheres, alguém tem. Isso não o torna menos preconceituoso e muito menos dá licença para que essa pessoa fale – em nome de outros grupos – o que é ou não preconceito”, completa.

2 – “Eu não tenho nenhum problema com lésbicas, inclusive eu adoro vê-las se pegando”

Uma típica frase machista. “Essa é uma altamente objetificadora, que só denota um machismo extremo que acredita que a mulher só serve para dar prazer ao homem. O que não é nada disso. Não funciona como brincadeira, não funciona como ironia, é apenas ultrajante”, resume.

3 – “Essa roupa não está muito gay?”

Quem nunca ouviu essa frase escapar de um homem, mesmo que seja sem querer? Acreditar que exista um estereótipo do que é ser gay ou de que tipo de visual está relacionado a homossexualidade apenas revela uma ignorância. O mundo é diverso independente da sua orientação sexual, gênero, nacionalidade ou idade. “Vamos combinar que só dá pra chamar algo de gay quando for pra usar como sinônimo de algo positivo, maravilhoso, forte e resistente. Fora isso, não use pra não passar vergonha, é falta de educação”, alerta Mayumi.

4 – “Viadagem ou muito gay”

Usar esse tipo de expressão, em casos como esse, é homofobia, uma vez que apontam um suposto desvio do comportamento definido como hétero. Reduzem emoções e comportamentos humanos como se fossem específicos de orientação sexual, e muitas vezes de gênero, e são uma via de mão dupla de opressão: estereotipando grupos e impedindo que as pessoas se comportem ou se expressem como desejarem, sem que a sua sexualidade seja envolvida nisso. O que realmente precisamos, e frisamos, é igualdade de gênero.

5 – “Mas ela não namorava um cara?” “Ele não vivia pegando mulher?”

A bissexualidade precisa ser aceita como qualquer outra orientação sexual e não deve ser tratada como um caso de confusão. Não existem padrões de sexualidade, muito menos limites que só existem na cabeça dos outros. “Ao ouvir frases como essa, é importante expressar o seu incômodo, corrigir a pessoa, por mais que seja difícil assumir essa responsabilidade e cause desconforto em alguns”, recomenda.

6 – “Ser gay tudo bem, desde que não dê em cima de mim”

Essa é uma frase completamente ofensiva. Ela diz, em outras palavras, que nós permitimos que o outro seja diferente desde que ele se comporte como na verdade ele deveria se comportar. “Homens adultos deveriam saber se comportar ao receber o flerte de alguém com quem eles não querem se relacionar, com maturidade e respeito”, complementou a Mayumi.

7 – “Tudo bem ser lésbica, mas precisa se vestir como homem?”

Não podemos, e nem devemos, mais aceitar que frases como essa sejam ditas e encaradas como normais. Ninguém deveria definir o que é ou não aceitável para o outro, seja relação à sua orientação sexual, à maneira como se comporta ou como se veste. Só assim uma mudança é possível. Só assim caminhamos rumo à igualdade de gênero. Cada um se veste como bem quer, e como se sentir bem. Você tem que se vestir para você.

 

comentários

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *