4 Tipos de Orgasmo: Prazer de A a Z

prazerdeaaz
"Você é o seu sexo. Todo o seu corpo é um órgão sexual, com exceção talvez das clavículas”
 Luís Fernando Veríssimo

Sim, é isso ai: antes de qualquer coisa é preciso conhecer bem o seu corpo e o de seu parceiro ou parceira.

Mas, como você já deve ter notado, sexo não é como a tela touch screen de um caixa eletrônico, com números que você vai tocando em sequências pré-determinadas até o prazer sair automaticamente. Por isso, não aposte todas as suas fichas em receitas ou mapas e, definitivamente, desista de elaborar protocolos ou métodos infalíveis.

Prá começar, não somos as mesmas todos os dias. Tem dias que faz muito frio, tem dias que está muito calor. Em alguns o sol está brilhando, em outros a chuva cai criando outro clima para o momento. Somos seres humanos, num momento estamos mais dispostas, relaxadas e em outros podemos estar mais tensas ou cansadas. Pense ainda que há ocasiões que você quer experimentar novos jeitos, novas sensações enquanto que outras vezes tudo que você espera é simplesmente repetir o que sempre deu certo, pois não se mexe em time que está ganhando. Se no momento do sexo você estiver acompanhada, multiplique por 2 ou 3 todas estas variáveis.

Claro que conhecimento ajuda (e muito) então aqui vão algumas dicas importantes para ajudar você a chegar ao prazer do jeito que você quer. Os pontos que descrevemos abaixo não estão em ordem alfabética nem em ordem de importância, pois, como já dissemos, cada momento é um momento, cada pessoa sente e reage diferentemente de outra.

Ponto G.  O mais falado de todos, quase mítico pois nem sempre é fácil de encontrar. Está localizado em torno de 5 cm acima da entrada da vagina, na parte interna da parede frontal.  Sua textura é diferente das áreas no entorno, um pouco mais firme, mais rugosa, o que facilita reconhecê-lo.  A melhor forma de localizá-lo é com a ponta do dedo ou com um sextoy específico para despertá-lo. Faça um movimento firme e contínuo de “vem cá” e as chances de você maravilhar-se com a descoberta. O que poucas mulheres sabem é que o ponto G está no meio do caminho entre o ponto A e o ponto U.

Veja também:  10 coisas constrangedoras que eu também já passei na hora do sexo

Ponto A. Formado por um tecido sensível, está posicionado exatamente no ponto “de volta” ou mais interno da vagina, próximo ao colo do útero (veja a figura abaixo). Ao aplicar pressão na área do lado do colo do útero mais próximo da bexiga (direção do umbigo), pode-se estimular o ponto A em questão de segundos. O que o despertar deste lugar faz por você? O ponto A pode produzir rápida lubrificação da vagina, mesmo em mulheres que normalmente não são sexualmente responsivas ou ter problemas para produzir lubrificação suficiente. Mas essa não é a melhor parte. A estimulação também pode causar orgasmos em algumas mulheres, e ao contrário do clitóris, essas contrações orgásmicas não sofrem de sensibilidade pós-orgasmo – ou seja, múltiplos orgasmos são possíveis sem períodos de descanso intermediários.

Ponto U. É outra área importante que pode ser mais fácil de encontrar. Está posicionado na abertura da vagina, diretamente acima e para os lados, da abertura uretral. Muitas vezes referida como a próstata feminina, o ponto U pode produzir sensações eróticas muito agradáveis e poderosas quando acariciado levemente. E como está mais perto, é mais fácil encontrá-lo do que o misterioso ponto G.

Os pontos A e U ainda são poucos conhecidos da maioria das mulheres. Outros nem tanto, mas mesmo assim frequentemente negligenciados.

Ponto B, a bunda. Alterne carícias e palmadas (você escolhe a intensidade). Se preferir, com o auxílio de uma escova de cabelos.
Ponto N, a nuca. Com os dedos, os lábios, a pontinha do nariz ou só com a respiração. Precisa dizer mais?
Ponto M, os mamilos. Beijinhos, lambiscadas, mordidinhas, prendê-los entre os lábios, carícias com a ponta dos dedos. Vale tudo, qualquer coisa que leve você à loucura.
Ponto O, as orelhas. Um carinho nelas – mordidinhas, roçar dos lábios, lambidas – é o suficiente para fazer subir o calor e deixar os pelos eriçados, todos.
Ponto BV, o baixo ventre (entre o umbigo e o ventre). Comece com movimentos suaves, deslizando um lado a outro a palma da mão. Conforme a excitação aumenta, pressione com mais força a região mais perto do púbis. Note como a pélvis responde com movimentos que parecem dizer “quero mais”.
Ponto C, a parte interna das coxas. Só de encostar a ponta dos dedos e percorrer a região interna da coxa de baixo para cima, você já provocará deliciosas sensações. Uma pressão bem dosada também.
Ponto P, os pés. Fetiche de muitos homens, a estimulação dos pés também excita muitas mulheres. Experimente massagear o ponto de Do-in que ativa os órgãos sexuais. Está localizado bem no meio da sola, onde a pele é mais fina. Massagear  a parte interna de cada dedo com um suave movimento de vai e vem também é ótimo.

Veja também:  Sexo na gravidez: desvendamos os mistérios sobre esse tabu

A lista continua para além do alfabeto. Alguns pontos levarão você direto ao orgasmo, enquanto outros são preliminares fundamentais que irão ajudá-la a chegar lá. Óleos de massagem, sprays que esquentam e esfriam, vibradores e outros sextoys são complementos que dão resultados ainda melhores.

Um último aviso: não tenha pressa. Explore as possibilidades de cada zona erógena alternando suavidade e intensidade, dando o tempo necessário para que elas despertem. Sinta o que funciona melhor em cada uma delas, em cada pessoa: lábios, dedos, língua,… tudo (menos talvez as clavículas).

comentários

  1. Gostei bem interessante...

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *