1/3 das mulheres assassinadas em São Paulo foram mortas pelo marido

mulheres assasinadas2

No primeiro semestre de 2017, 272 mulheres foram mortas no estado de São Paulo. Desse total, 93 foram vítimas de maridos, namorados e companheiros, de acordo com dados da Secretaria da Segurança Pública.

83,7% das vítimas de homicídio no estado são homens, 14,1% mulheres e 2,2% não identificados, mas quando o caso envolve homicídio entre casal, 72,1% das vítimas são mulheres, contra 29,9% de homens.

De acordo com a Lei do Femicídio, sancionada em março de 2015 pela então presidente Dilma Rousseff, considera-se que há razões de condição de sexo feminino quando o crime envolve: violência doméstica e familiar e menosprezo ou discriminação à condição de mulher.

Veja também:  Isso não é sobre corpo

Ciúme, traição, disputa pela guarda de filho, gravidez indesejada e não aceitar a separação foram motivos de 11 dos 19 casos de homicídio de mulheres na Grande São Paulo nos últimos três meses, de acordo com a investigação da polícia. Em um dos casos, um homem alegou que matou duas amigas da esposa porque elas estariam influenciando no relacionamento do casal.

Para Samira Bueno, diretora-executiva do Fórum de Segurança Pública de São Paulo, em entrevista ao telejornal SPTV, os crimes, no geral, são resultados do machismo. “Infelizmente o feminicídio é um crime que está presente em toda sociedade porque tem raízes culturais. Ele está muito ligado ao machismo. A ideia de posse da mulher, como propriedade de um homem.”

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *